quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022

INTECS teria atuado na gestão Julinho sem contrato; MP já investiga negócio jurídico mirabolante que ultrapassa R$ 20 milhões

Continuando a série de denúncias envolvendo o contrato com o INTECS, organização que abocanhou quase R$ 20 milhões na gestão do prefeito Dr. Julinho (PL), o site traz novos fatos que podem virar ponto de mira para investigação de órgãos que combatem indecência com a coisa pública.

A postagem anterior chama a atenção do Ministério Público, que já investiga o referido contrato. Há a suspeita de adulteração de documentos pela Org. Social para administrar o Hospital e Maternidade de Ribamar.

Agora, trazemos novos fatos.

Denúncia 2

blog do Neto Cruz apurou, após escrutínio, que entre 13 de dezembro de 2021 a 02 de janeiro de 2022 o INTECS teria atuado na gestão Julinho, provavelmemte, sem contrato, o que apontaria para ato lesivo as cofres públicos e chamaria ainda mais a atençã0 do MP. Informantes bem posicionados do site apuraram que nesse período foi pleiteado pagamento por processo indenizatório solicitada a SEMUS, que é administrada por Bernardete de Lourdes Veiga, por serviços não contratados. E haja repasse com suspeita de irregularidades para o INTECS… A SEMUS, mesmo depois de 180 dias como rezava o Diário Oficial, se manteve passiva e não montou sequer o processo licitatório para a contratação definitiva.

Em breve, traremos a denúncia number three, que traz à tona irregularidade na recontratação da mesma empresa (INTECS) por mais 90 dias em ‘regime emergencial”…

Fonte: Neto Cruz

Nenhum comentário:

Postar um comentário