quinta-feira, 27 de maio de 2021

Edivaldo Jr. pode ter sua imagem arranhada ou confirma-lo político sem mácula ética pela CPI da Covid

Cinco meses após deixar o comando da Prefeitura de São Luís montado numa confortável sela de prestígio, resultado dos oito anos que passou dando as cartas no Palácio de la Ravardière, o ex-prefeito Edivaldo Holanda Jr. corre o risco de ter a imagem de correção da sua gestão gravemente arranhada pela CPI da Covid. Politicamente isolado, sem partido- saiu recentemente do PDT -, causando a impressão de que enfrenta sérias dificuldades para se reinserir na aliança comandada pelo governador Flávio Dino, o ex-prefeito será convocado para depor no rumoroso caso da compra de máscaras superfaturadas pela Secretaria Municipal de Saúde, na fase inicial da chegada do novo coronavírus na Capital do Maranhão. A encrenca – que uns avaliam como grave e outros que não irá além do constrangimento dos depoimentos – atinge em cheio o ex-secretário municipal de Saúde, Lula Filho, que na época foi exonerado, causando forte mal-estar na Prefeitura de São Luís.

Até prova em contrário, o ex-prefeito Edivaldo Holanda Jr. não teve participação na rumorosa e, ao que parece, desastrada, compra de 20 mil máscaras pela Secretaria Municipal de Saúde, cuja investigação foi batizada pela Polícia Federal como “Operação Tempo Real”. De acordo com a PF, a compra de máscaras com superfaturamento teria envolvido o secretário Lula Fylho e um grupo de servidores da pasta, que teriam agido como “uma quadrilha”, impondo prejuízo de quase R$ 500 mil aos cofres da Capital. Diante da denúncia, Edivaldo Holanda Jr. exonerou Lula Fylho em meio a um forte mal-estar dentro e fora do governo municipal. Meses depois, a PF fez buscas na residência de Lula Fylho e outros envolvidos na denúncia, apreendendo joias e mais de R$ 200 mil em espécie.

O então prefeito Edivaldo Holanda Jr. praticamente não se manifestou sobre o caso, como que calculando que o silêncio seria a sua melhor postura. Afinal, nos seis anos de gestão vencidos até aquele momento nenhuma denúncia grave de desvio tinha vindo à tona, o que dava ao prefeito Edivaldo Jr. a justa estatura de governante correto na liderança de um governo sem mácula. Tal imagem, além de atrair o reconhecimento público a uma administração limpa e eficiente, carimbou Edivaldo Holanda Jr. como um gestor de excelência, um exemplo a ser seguido. Afinal, gestões de capitais importantes, como a do Rio de Janeiro, por exemplo, foram marcadas pela chaga da corrupção escandalosa, que levou o prefeito Marcelo Crivella a ser trucidado nas urnas ao tentar a reeleição, correndo agora o risco de parar na cadeia.

Edivaldo Holanda Jr. deixou a Prefeitura de São Luís com os méritos de bom gestor, tanto no campo administrativo, com resultados surpreendentes em todas as regiões da cidade, a começar pelo Centro, quanto na delicada seara ética, na qual parece ter enveredado rigorosamente dentro da linha.

O seu desempenho administrativo lhe deu estatura política para ser apontado como um quadro destinado a ter participação destacada nas eleições do ano que vem. Foi lembrado como um bom candidato a vice, nome forte para o Senado, e até mesmo como candidato a governador, dependendo das circunstâncias. Politicamente, Edivaldo Holanda Jr., que fora fortemente apoiado pelo grupo dinista na eleição em 2012 e na reeleição em 2016, se omitiu ostensivamente em 2020, dando as costas para o candidato apoiado pelo seu partido, o PDT, e para o candidato do Palácio dos Leões, construindo assim os muros do isolamento em que vive, quando as forças começam a se articular para a guerra eleitoral do ano que vem.

A convocação para a CPI da Covid, se aprovada, poderá criar-lhe embaraços de elevado custo político, ou poderá lhe dar a oportunidade de eliminar suspeitas e se reafirmar como um político de estatura.

Fonte: Repórter Tempo

Nenhum comentário:

Postar um comentário