domingo, 18 de julho de 2021

Após assassinato de líder comunitário em Imperatriz, deputado Wellington lamenta e volta a cobrar nomeação de 1.700 soldados


Na manhã deste domingo (18), o deputado estadual Wellington do Curso utilizou as redes sociais para lamentar a morte do líder comunitário Wanderley WR, que foi assassinado no Residencial Sebastião Regis, em Imperatriz. Wanderley exercia o cargo de Presidente da Associação de Moradkres do Residencial Sebastião Regis pelo segundo mandato. 

Em nota, o deputado Wellington lamentou o assassinato do líder comunitário e repudiou a onda de violência que tem dominado o Maranhão, razão pela qual voltou a cobrar a nomeação dos 1.700 soldados formados pela PMMA.

“É com pesar que me solidarizo com os familiares e amigos  do líder comunitário Wanderley WR, que foi assassinado nessa madrugada, dentro de casa, em Imperatriz. Perdi um amigo na Região Tocantina: Wanderlei sempre foi proativo, companheiro e muito atencioso comigo. Nunca foi interesseiro, oportunista ou aproveitador. Todas suas solicitações eram para sua comunidade, inclusive sempre reclamou da falta de infraestrutra e da insegurança no bairro e Imperatriz. Veio a lembrança de nossas caminhadas pelo Residencial Sebastião Regis, em Imperatriz. Que Deus o receba e console todos os familiares e amigos que sofrem com essa perda. O Maranhão tem sido dominado pela criminalidade e a única forma de mudar essa realidade é com a nomeação dos 1.700 soldados formados pela PMMA. Nada que fizermos trará a vida do Wanderley de volta, mas podemos evitar que muitos ainda sejam vítimas de bandidos em nosso estado”, disse o deputado Wellington. 

AUMENTO DA CRIMINALIDADE NO MARANHÃO 

De acordo com o Índice Nacional de Homicídios do Monitor da Violência, o Maranhão registrou aumento de 30,9% no número de mortes violentas só em 2020. Para o deputado Wellington, essa realidade tem que mudar. É essencial que, para isso, Flávio Dino efetue a nomeação dos 1.700 soldados formados pela PMMA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário