quinta-feira, 30 de abril de 2020

CORONAVÍRUS: Bloqueio total na região metropolitana de São Luís é determinado pela Justiça

Lockdown - O que fazer com os meus estoques? | Mercado&Consumo

A Justiça do Maranhão decretou nesta quinta-feira (30) o 'lockdown' (bloqueio total) em quatro municípios da Região Metropolitana de São Luís, pelo prazo de dez dias, a partir do dia 5 de maio, por conta do aumento de casos e mortes pelo novo coronavírus nas regiões. A ação é do Ministério Público do Maranhão (MPMA).

A determinação é do juiz Douglas de Melo Martins, da Vara de Interesses Difusos e Coletivos da Comarca da Ilha de São Luís. Os municípios de São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa são as primeiras cidades brasileiras a adotar esse tipo de restrição.

Por meio de nota, o governo do Maranhão informou que vai aguardar a decisão judicial, analisar e ver as medidas necessárias para o cumprimento das determinações.


De acordo com a decisão, ficarão suspensas todas as atividades não essenciais à manutenção da vida e da saúde, com exceção de serviços de alimentação, farmácias, portos e indústrias que trabalham em turnos de 24 horas. Também está proibida a entrada e saída de veículos da Ilha de São Luís, por dez dias, com exceção para caminhões, ambulâncias, veículos transportando pessoas para atendimento de saúde e atividades de segurança.

A decisão também vai suspender a circulação de veículos particulares, sendo autorizados somente a saída para compra de alimentos ou medicamentos, para transporte de pessoas e atendimento de saúde, serviços de segurança ou considerados essenciais pelo decreto estadual.

Serão limitadas a circulação de pessoas em espaços públicos e a regulamentação do funcionamento de bancos e lotéricas que devem ser abertas somente para o pagamento do auxílio emergencial, salários e benefícios sem lotação máxima nesses ambientes, com organização de filas.

O uso de máscara continua sendo obrigatório nas cidades e foram estendidas a suspensão das aulas na rede privada nos quatro municípios, decisão baseada no decreto estadual para as escolas da rede privada. Os municípios serão responsáveis pela fiscalização efetiva e cumprimento das medidas.

Alta incidência de casos

O juiz fundamentou sua decisão com dados da Fio Cruz, que afirmou que o Maranhão é o estado da federação que apresenta maior ritmo de crescimento no número de mortos por COVID-19 no Brasil. Douglas Martins também lembra que os hospitais privados já noticiam que a capacidade máxima de seus leitos para pacientes com COVID-19 foi atingida.

Por fim, o juiz diz ainda que a adoção do bloqueio total é necessária porque 'é a única medida possível' e eficaz no cenário para contenção da proliferação da doença e para possibilitar que o sistema de saúde público e privado se reorganize, a fim de que se consiga destinar tratamento adequado aos doentes.
"Do contrário, conforme se viu em outros lugares do mundo, viveremos um período de barbárie", completa o juiz.

Leitos ocupados

A ação do Ministério Público foi assinada por quatro promotores da Defesa da Saúde dos municípios de São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar. No documento, os promotores pediam que a medida fosse aplicada o quanto antes, para evitar o avanço da doença e novas mortes.

O documento levou em consideração que na terça-feira (28), todos os 112 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da rede estadual exclusivos para pacientes com Covid-19 estavam ocupados. Além disso, uma carta enviada ao governo do Sindicato dos Hospitais e do Hospital São Domingos, da rede privada, que alegou estarem trabalhando com lotação máxima de pacientes para a doença.

Mesmo com a perspectiva da ampliação e da criação de um hospital de campanha em 45 dias em São Luís, o órgão alegou que a medida deveria ser aplicada urgentemente, por conta da alta chance de disseminação da doença.

De acordo com o último boletim da Secretaria de Estado da Saúde (SES), divulgado na quarta-feira (29), os quatro municípios juntos possuem 2.728 casos do novo coronavírus e 166 mortes por Covid-19.

Por Rafaelle Fróes


terça-feira, 28 de abril de 2020

Tiroteio em supermercado após confusão por uso de máscara termina com a morte de funcionária

cliente supermercado condor máscara

Coronavírus: tiroteio em supermercado acaba com funcionária inocente de 25 anos morta. Cliente que não queria usar máscara entrou em luta corporal com um segurança

Uma funcionária de 25 anos do hipermercado Condor, em Araucária, região metropolitana de Curitiba, morreu na tarde desta terça-feira (28) ao ser atingida por uma bala perdida de uma arma em posse do segurança do estabelecimento. Ele estaria em luta corporal com um cliente que se recusava em usar máscara de proteção para entrar no local.

O cliente iniciou a confusão quando um funcionário o alertou que só poderia fazer as compras se utilizasse o acessório. A orientação não teria sido acatada e o segurança precisou intervir após o funcionário ser agredido. Houve luta corporal e dois disparos foram efetuados pelo segurança.

A primeira bala atingiu de raspão o cliente, que ficou ferido sem gravidade no abdome. O segundo tiro acertou a fiscal do estabelecimento. A funcionária se dirigiu à confusão para explicar ao cliente sobre a obrigatoriedade do uso da máscara.

Desde sexta-feira (24), a utilização da máscara em locais públicos e privados compartilhados é obrigatória em Araucária em razão dos oito casos confirmados do novo coronavírus na cidade. O governador do Paraná, Ratinho Jr (PSD) também sancionou hoje uma lei que obriga o uso da proteção em todo o estado sob pena de multa de até R$ 533 ao cidadão e R$ 10.660 à empresa que permitir a entrada sem o acessório.

O Grupo Condor emitiu nota afirmando que ofereceu gratuitamente a máscara ao cliente, que teria recusado.

“O incidente foi desencadeado por um cliente que tentou entrar no estabelecimento sem máscara e, que ao ser informado sobre o decreto municipal que exige o uso da EPI [Equipamento de Proteção Individual], agrediu o funcionário, que inclusive tentou oferecer uma máscara da empresa, sem custo, para que ele pudesse fazer as suas compras”, afirmou a rede de supermercado, em nota.

A empresa também alegou que a arma teria sido disparada quando o cliente tentou pegá-la do vigilante.

“O funcionário agredido pediu ajuda pelo rádio para empresa terceirizada de segurança. O cliente e o vigilante estavam calmamente se direcionando para a entrada da loja, onde o cliente iniciou uma série de agressões contra o vigilante e tentou pegar a arma do segurança”, complementou.

O cliente atingido foi encaminhado pelo Corpo de Bombeiros para o Hospital do Trabalhador, em Curitiba, e não corre risco de morte.

O Grupo Protege, terceirizada que presta serviços de segurança ao supermercado também emitiu nota.

“A empresa lamenta profundamente o ocorrido e presta total solidariedade à família e aos amigos da vítima. Informamos que empresa está colaborando com as autoridades na busca de informações que possam contribuir para a investigação do caso”, resumiu.

Com informações pragmatismopolitico.com.br

CORONAVÍRUS: E agora Flávio Dino? 100% dos leitos de UTI ocupados em São Luís.

O novo boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirma que 100% dos leitos de UTI exclusivos para pacientes de Covid-19, da rede estadual, estão ocupados em São Luís.

São 112 leitos, com 112 pessoas internadas.

Nos leitos clínicos, a ocupação já passa dos 63%.

Cadê os novos leitos que vêm sendo divulgados?? E os 46 respiradores que ainda não foram instalados? E para onde foram os 128 milhões de reais destinados à saúde em nosso Estado? E as medidas de controle do comércio? Vão continuar frouxas demais?

Alô Edvaldo Holanda?! Risco de tragédia iminente na SEMFAZ


A mais nova reclamação para um antigo problema é sobre o prédio da Secretaria Municipal da Fazenda – SEMFAZ, a denúncia vem dos próprios servidores que afirmam que após as últimas chuvas houve muita infiltração de água que comprometeu o forro, instalações elétricas, equipamentos eletrônicos e arquivos importantes para a secretaria.




Existem enormes riscos em razão do descumprimento dos padrões mínimos de segurança, inclusive relativos à prevenção de incêndio. O que está em jogo é a vida das pessoas que utilizam os prédios públicos sem ou com alvarás vencidos e sem o mínimo de fiscalização dos órgãos responsáveis.

Sem contar que vivemos em plena pandemia de um vírus que tem matado milhares de pessoas pelo mundo e a SEMFAZ continua funcionando como se nada tivesse acontecendo, recebem, diariamente, grande fluxo de pessoas, que estão expostas a riscos devido às péssimas condições de infraestrutura que apresenta. Além do risco do teto cair sobre a cabeça dos servidores e das pessoas que precisam usar os serviços da Fazenda, há o risco iminente de contágio da Covid-19 por conta da aglomeração.

A prefeitura precisa urgentemente providenciar que sua plataforma digital possa fornecer mais celeridade nos serviços prestados. Inadmissível é, que em pleno século XXI, vivendo na era digital, Edivaldo Holanda Júnior sujeite os servidores e a população a essa situação que além de vergonhosa é extremamente perigosa!

Diante de tudo isso, o que se espera é que a prefeitura se mobilize para tomar as providências necessárias para segurança da população e dos servidores para que, desse modo, não ocorra aqui as próximas tragédias a chocarem o Brasil.

CORONAVÍRUS: Anvisa aprova realização de testes rápidos em farmácias

Teste rápido para o novo coronavírus é feito em domicílio em João Pessoa — Foto: Divulgação/Secom-PB

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta terça-feira (28), a realização de testes rápidos de diagnóstico de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, em farmácias. Com a decisão, os testes deixam de ser feitos obrigatoriamente apenas em hospitais e clínicas.

A medida foi aprovada pela diretoria da agência por unanimidade em caráter temporário, enquanto durar a situação de emergência de saúde pública nacional, decretada em 4 de fevereiro.

As farmácias que quiserem realizar o exame deverão ter um profissional qualificado durante todo o horário de funcionamento. A decisão autoriza a aplicação, mas não obriga que as farmácias disponibilizem os testes. A adesão, portanto, é voluntária.

Os testes deverão serão feitos no local e o resultado deverá ser interpretado por um profissional de saúde, juntamente com outros dados do paciente.

O teste rápido (ensaio imunocromatográfico) é auxiliar no diagnóstico, mas não possui finalidade comprobatória - ou seja, não servirá para a contagem de casos do coronavírus no país. Isso acontece porque há possibilidade que o teste apresente "falso negativo".

"O aumento [dos testes] será uma estratégia útil para diminuir a aglomeração de indivíduos [em hospitais] e também reduzir a procura dos serviços médicos em estabelecimento das redes públicas”, disse o diretor-presidente substituto da Anvisa, Antonio Barra Torres, durante a reunião.

O diretor Marcos Miranda fez uma observação de que as secretarias estaduais e municipais de saúde devem se reunir com as farmácias para determinar um fluxo de informação sobre os resultados desses testes.

A decisão foi apoiada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), conforme nota divulgada pelo conselho. O CFC diz, na nota, que “reivindicou do Governo o envolvimento dos 9,8 mil laboratórios de análises clínicas sob responsabilidade técnica de farmacêuticos e das 88 mil farmácias na testagem da população, tanto no atendimento privado, quanto público”.

Para o presidente do conselho, Walter da Silva Jorge João, ”a inserção dos testes rápidos nas farmácias comunitárias privadas é uma iniciativa importante para ampliar o acesso aos exames, reduzir custos, evitar aglomerações, bem como diminuir a procura de serviço médico em estabelecimentos da rede pública já altamente demandada”.

“Se existem coletas sendo feitas em drive-thru, pelos próprios órgãos públicos de saúde, é perfeitamente razoável que os testes rápidos também sejam realizados nas farmácias, pelo farmacêutico, que é um profissional da saúde habilitado”, disse.

Com informações G1

quinta-feira, 23 de abril de 2020

IMPEACHMENT DE BOLSONARO: Supremo Tribunal Federal pede informações sobre omissão de Rodrigo Maia ao processo


Imagem relacionada

O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Celso de Mello, decidiu nesta quinta-feira (23) pedir informações ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre o pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro apresentado em março pelos advogados José Rossini Campos e Thiago Santos de Pádua. O Palácio do Planalto acompanha com preocupação os desdobramentos do caso na Suprema Corte.

Autores de um pedido de impeachment apresentado na Câmara, os advogados acionaram o Supremo para que os parlamentares analisem imediatamente a abertura de um processo contra o presidente da República. Rossini e Pádua alegam que Maia foi omisso sobre o tema até agora.

Na ação apresentada no STF, os advogados também cobram a divulgação do exame de covid-19 feito por Bolsonaro. Ao menos 23 pessoas da comitiva que acompanhou o presidente em viagem aos Estados Unidos, no mês passado, já foram infectadas pelo novo coronavírus. Bolsonaro informou em redes sociais que o resultado de seus exames deu negativo, mas até hoje ainda não divulgou os laudos. O governo se recusou a divulgar os dados ao Estado/Broadcast (sistema de de notícias em tempo real do Grupo Estado) via Lei de Acesso à Informação (LAI).

"O estopim dessa ação acabou sendo a letargia do Rodrigo Maia em analisar o pedido de impeachment que fizemos e a sucessão de atos do presidente da República que podem ser enquadrados como crime de responsabilidade. Bolsonaro é um homem público e o exame de covid-19 não é, em nenhuma hipótese, sigiloso para qualquer fim. O próprio Donald Trump, que o presidente tanto admira, divulgou publicamente os seus exames negativos para covid-19", afirmou Pádua à reportagem.

O sinal de alerta do Planalto aumentou depois que a ação no STF foi sorteada para Celso de Mello, uma das vozes mais contundentes do tribunal contra o comportamento do presidente da República. A preocupação aumentou agora nesta quinta-feira, 23, depois que o ministro decidiu não apenas ouvir Maia, como incluir formalmente Bolsonaro na ação.

"Entendo prudente solicitar, no caso, prévias informações ao senhor presidente da Câmara dos Deputados, que deverá manifestar-se, inclusive, sobre a questão pertinente à cosgnoscibilidade da presente ação", escreveu o decano.

Celso de Mello já disse que Bolsonaro "transgride" a separação entre os Poderes, "minimiza" a Constituição e não está "à altura do altíssimo cargo que exerce". O ministro se aposenta em novembro, quando completará 75 anos, abrindo a primeira vaga na Corte para indicação de Bolsonaro.

Pedidos

Em 41 páginas, os advogados Thiago Santos de Pádua (ex-assessor da ministra Rosa Weber, do STF) e José Rossini Campos (ex-conselheiro da OAB) alegam "omissão" no Legislativo em analisar a abertura do processo de impeachment de Bolsonaro. Na Corte, Corrêa e Pádua pedem liminar para obrigar Maia a considerar o pedido, além de transferir parte dos poderes de Bolsonaro para o vice-presidente, Hamilton Mourão.

Os advogados acusam Bolsonaro de praticar crime de responsabilidade e querem que o presidente fique impedido de publicar nas redes sociais qualquer conteúdo que contrarie as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Bolsonaro defende um afrouxamento do distanciamento social para a retomada da atividade econômica no País.

Pádua e Rossini - que também protocolaram um pedido de impeachment do presidente da República - na Câmara dos Deputados, ainda acionaram o Supremo para que Bolsonaro comunique previamente as suas pretensões de saída em público, inclusive informando medidas adotadas para evitar aglomeração social. Os autores da ação reivindicam que o Supremo dê um prazo de 15 dias para que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ, analise a denúncia oferecida pelos advogados contra Bolsonaro.

Crimes

Segundo os advogados, Bolsonaro teria cometido supostos crimes de responsabilidade em diversas ocasiões, como a divulgação da campanha "O Brasil Não Pode Parar", suspensa por ordem judicial, a ida a manifestações com pedidos pró-intervenção militar, a demissão do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em meio à crise sanitária do novo coronavírus, a falta de transparência em relação ao seu próprio teste para covid-19, que não foi publicamente divulgado.

"O Presidente da República cometeu, em tese, inúmeros crimes de responsabilidade, permanecendo na reiteração incontrolada, levando a efeito atos diretamente relacionados à omissão do Presidente da Câmara dos Deputados em simplesmente analisar o pedido de abertura de processo por crime de responsabilidade", afirmam.


Com informações O Estadão

Sérgio Moro pede demissão após interferência de Bolsonaro na PF

Sérgio Moro foi engolido por seu próprio discurso - CartaCapital

O ministro Sergio Moro (Justiça) pediu demissão a Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (23) ao ser informado pelo presidente da decisão de trocar a diretoria-geral da Polícia Federal, hoje ocupada por Maurício Valeixo.

Bolsonaro informou o ministro, em reunião, que a mudança na PF deve ocorrer nos próximos dias. Moro então pediu demissão do cargo, e Bolsonaro tenta agora reverter a decisão do ex-juiz federal.

Os ministros Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) foram escalados para convencer o ministro a recuar da decisão. Se Valeixo sair, Moro sairá junto, segundo aliados do ministro.

Valeixo foi escolhido por Moro para o cargo. O atual diretor-geral é homem de confiança do ex-juiz da Lava Jato. Desde o ano passado, Bolsonaro tem ameaçado trocar o comando da PF. O presidente quer ter controle sobre a atuação da polícia.

Moro topou largar a carreira de juiz federal, que lhe deu fama de herói pela condução da Lava Jato, para virar ministro. Ele disse ter aceitado o convite de Bolsonaro, entre outras coisas, por estar "cansado de tomar bola nas costas".

Tomou posse com o discurso de que teria total autonomia e com status de superministro. Desde que assumiu, porém, acumula recuos e derrotas.

Moro se firmou como o ministro mais popular do governo Bolsonaro, com aprovação superior à do próprio presidente, segundo o Datafolha. Pesquisa realizada no início de dezembro de 2019 mostrou que 53% da população avalia como ótima/boa a gestão do ex-juiz no Ministério da Justiça. Outros 23% a consideram regular, e 21% ruim/péssima.

Bolsonaro tinha números mais modestos, com 30% de ótimo/bom, 32% de regular e 36% de ruim/péssimo.

O ministro também tem se mostrado, nos bastidores, insatisfeito com a condução do combate à pandemia do coronavírus por parte de Bolsonaro. Moro, por exemplo, atuou a favor de Luiz Henrique Mandetta (ex-titular da Saúde) na crise com o presidente.

Com esse novo embate, Moro vê cada vez mais distante a promessa de uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal). Esse caminho já estava enfraquecido especialmente depois da divulgação de mensagens privadas que trocou com procuradores da Lava Jato.

As mensagens obtidas pelo Intercept e divulgadas até este momento pelo site e por outros órgãos de imprensa, como a Folha, expuseram a proximidade entre Moro e os procuradores da Lava Jato e colocaram em dúvida a imparcialidade como juiz do atual ministro da Justiça no julgamento dos processos da operação.

Quando as primeiras mensagens vieram à tona, em 9 de junho, o Intercept informou que obteve o material de uma fonte anônima, que pediu sigilo. O pacote inclui mensagens privadas e de grupos da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, no aplicativo Telegram, a partir de 2015.

Em resumo, no contato com os procuradores, Moro indicou testemunha que poderia colaborar para a apuração sobre o ex-presidente Lula, orientou a inclusão de prova contra um réu em denúncia que já havia sido oferecida pelo Ministério Público Federal, sugeriu alterar a ordem de fases da operação Lava Jato e antecipou ao menos uma decisão judicial.

Sob o comando de Moro, a Polícia Federal viveu clima de instabilidade no ano passado, quando Bolsonaro anunciou uma troca no comando da superintendência do órgão no Rio e ameaçou trocar o diretor-geral.

No meio da polêmica, o presidente chegou a citar um delegado que assumiria a chefia do Rio, mas foi rebatido pela Polícia Federal, que divulgou outro nome, o de Carlos Henrique de Oliveira, da confiança da atual gestão. Após meses de turbulência, o delegado assumiu o cargo de superintendente, em dezembro.

No fim de janeiro, o presidente colocou de volta o assunto na mesa, quando incentivou um movimento que pedia a recriação do Ministério da Segurança Pública. Isso poderia impactar diretamente a polícia, que poderia ser desligada da pasta da Justiça e ficaria, portanto, sob responsabilidade de outro ministro.

Bolsonaro depois voltou atrás e disse que a chance de uma mudança nesse sentido era zero, ao menos neste momento.

Sob o comando de Moro, a Polícia Federal viveu clima de instabilidade no ano passado, quando Bolsonaro anunciou uma troca no comando da superintendência do órgão no Rio e ameaçou trocar o diretor-geral.

No meio da polêmica, o presidente chegou a citar um delegado que assumiria a chefia do Rio, mas foi rebatido pela Polícia Federal, que divulgou outro nome, o de Carlos Henrique de Oliveira, da confiança da atual gestão. Após meses de turbulência, o delegado assumiu o cargo de superintendente, em dezembro.

No fim de janeiro, o presidente colocou de volta o assunto na mesa, quando incentivou um movimento que pedia a recriação do Ministério da Segurança Pública. Isso poderia impactar diretamente a polícia, que poderia ser desligada da pasta da Justiça e ficaria, portanto, sob responsabilidade de outro ministro.

Bolsonaro depois voltou atrás e disse que a chance de uma mudança nesse sentido era zero, ao menos neste momento.

Por Leandro Colon

Duarte Jr. desmoralizado pela Deputada Mical Damasceno


A deputada Mical Damasceno (PTB), desmentiu no final da noite desta quarta-feira (23), a informação amplamente espalhada pelo deputado Duarte Júnior (Republicanos), de que teria assumido a presidência da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia.

Documento que comprova a eleição de Mical para presidir a Comissão de Educação

fakenews espalhada por Duarte e sua equipe pegou a parlamentar de surpresa, já que de acordo com a Resolução Administrativa nº 093/2020, no dia 04 de março foi instalada a Comissão de Educação com a escolha da deputada Mical Damasceno como presidente e o deputado Zé Inácio como vice-presidente.

Ainda não se sabe com qual intenção o jovem deputado espalhou a suposta queda de Mical do cargo, e sua consequente ascensão.

Em contato com a parlamentar, Mical negou qualquer suposta renúncia e disse que continua como presidente da Comissão de Educação.

Também entramos em contato com a assessoria do deputado Duarte Júnior, mas não obtivemos qualquer resposta.

Os rabiscos não significam absolutamente nada

Em grupos de whatsapp, um dos assessores do ex-presidente do Procon fez rabiscos em um diário do dia 20 para tentar justificar a falsa informação espalhada.

Por Maramais

segunda-feira, 20 de abril de 2020

Uso obrigatório de máscaras! Governo do Maranhão decreta novas medidas para combater a pandemia


Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira(20), o Governador do Estado do Maranhão Flávio Dino fez uma avaliação sobre a atual situação da pandemia pelo CORONAVÍRUS no Estado.

Dentre as medidas anunciadas, destacou a continuidade do fechamento do comércio até o próximo dia 05 de maio, a suspensão das aulas em escolas públicas e privadas até o próximo dia 12 de maio e ainda o uso obrigatório de máscaras em locais públicos e privados. As medidas serão editadas por meio de decreto ainda no dia de hoje .

domingo, 19 de abril de 2020

PAPA alerta para o vírus da indiferença


"A misericórdia não abandona quem fica para trás."

“Nesta festa da Divina Misericórdia, o anúncio mais encantador chega através do discípulo mais atrasado. Só faltava ele, Tomé. Mas o Senhor esperou por ele. A misericórdia não abandona quem fica para trás”, disse o Papa ao celebrar a missa do II Domingo de Páscoa na Igreja do Espírito Santo 'in Sassia'.

Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

O Papa Francisco deixou o Vaticano esta manhã para percorrer poucos metros até a Igreja do Espírito Santo ‘in Sassia’, ao lado da Cúria Geral dos Jesuítas, para celebrar a missa deste II Domingo de Páscoa.

E o fez no mesmo lugar onde, 20 anos antes, São João Paulo II instituiu o Domingo da Misericórdia ao canonizar a polonesa Ir. Faustina Kowalska.

Como nos ritos da Semana Santa, não havia fiéis. Na homilia, o Pontífice comentou o Evangelho de João e a semana que os discípulos transcorreram depois da ressurreição do Mestre – uma semana marcada pela “incredulidade medrosa”.

Diante deste sentimento, Jesus volta para o meio deles para anunciar que Deus não se cansa de estender a Sua mão para nos levantar. E esta “mão” é precisamente a misericórdia. Deus não é um patrão com o qual ajustar as contas, mas o Pai que sempre nos levanta.

“Hoje, nesta igreja que se tornou santuário da misericórdia em Roma, no domingo que São João Paulo II dedicou à Misericórdia Divina há vinte anos, acolhamos confiadamente esta mensagem”, disse o Papa.

Entregar as nossas misérias ao Senhor

A Santa Faustina, disse Jesus: «Eu sou o amor e a misericórdia em pessoa; não há miséria que possa superar a minha misericórdia» (Diário, 14/IX/1937). Uma frase que surpreendeu a santa foi quando Cristo pediu que ela oferecesse aquilo que é verdadeiramente seu – também nosso -, a sua miséria.

Também nós podemos nos interrogar se mostramos as nossas quedas ao Senhor ou se há um pecado, remorso, ferida ou rancor que guardamos para nós. “O Senhor espera que Lhe levemos as nossas misérias, para nos fazer descobrir a sua misericórdia.”

Em meio aos discípulos, Jesus mostra as suas chagas e pede que Tomé as toquem descobrindo o amor.

“Tomé, que chegara atrasado, quando abraça a misericórdia, ultrapassa os outros discípulos: não acredita só na ressurreição, mas também no amor sem limites de Deus. E faz a profissão de fé mais simples e mais bela: «Meu Senhor e meu Deus!» (Jo 20, 28).”

Eis a ressurreição do discípulo, explica Francisco, que se realiza quando a sua humanidade, frágil e ferida, entra na humanidade de Jesus. É a mesma fragilidade que estamos experimentando neste momento de reclusão. 

Nesta festa da Divina Misericórdia, o anúncio mais encantador chega através do discípulo mais atrasado. Só faltava ele, Tomé. Mas o Senhor esperou por ele.

“A misericórdia não abandona quem fica para trás.”

O vírus da indiferença egoísta

Enquanto pensamos numa recuperação da pandemia, alertou o Pontífice, é precisamente este perigo que se insinua: esquecer quem ficou para trás.

“O risco é que nos atinja um vírus ainda pior: o da indiferença egoísta. Transmite-se a partir da ideia que a vida melhora se vai melhor para mim, que tudo correrá bem se correr bem para mim.”

O vírus se alastra quando se selecionam as pessoas, se descartam os pobres, se imola “no altar do progresso quem fica para trás”.

“É tempo de remover as desigualdades, sanar a injustiça que mina pela raiz a saúde da humanidade inteira!”, exortou.

Distribuir os bens não é ideologia, é cristianismo

A comunidade cristã primitiva colocou em prática a misericórdia, como descreve o livro dos Atos dos Apóstolos: os fiéis «possuíam tudo em comum. Vendiam terras e outros bens e distribuíam o dinheiro por todos, de acordo com as necessidades de cada um» (At 2, 44-45). “Isto não é ideologia”, recordou Francisco. “É cristianismo.”

Naquela comunidade, depois da ressurreição de Jesus, apenas um tinha ficado para trás. Hoje, parece acontecer o contrário: uma pequena parte da humanidade avançou, enquanto a maioria ficou para trás. E o Papa insistiu:

“Não pensemos só nos nossos interesses. Aproveitemos esta prova como uma oportunidade para preparar o amanhã de todos. Sem descartar ninguém: de todos. Porque, sem uma visão de conjunto, não haverá futuro para ninguém.”

Façamos como o apóstolo Tomé, concluiu o Papa: acolhamos a misericórdia, que é a salvação do mundo. E usemos de misericórdia para com os mais frágeis: só assim reconstruiremos um mundo novo.

Por Vaticans News

quarta-feira, 15 de abril de 2020

Secretário de Mandetta pede demissão do Ministério da Saúde em meio à pandemia do Coronavírus

Secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira — Foto: TV Globo/Reprodução

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, pediu demissão na manhã desta quarta-feira (15). A informação foi divulgada em nota oficial do ministério.

A saída de Wanderson ocorre em meio à pandemia de coronavírus. Ele vinha sendo uma das autoridades do ministério que mais participavam de entrevistas e ações da pasta sobre o enfrentamento ao vírus.

Wanderson, assim como o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é defensor do isolamento social como estratégia de contenção do vírus.

Perfil

No Ministério da Saúde há 15 anos, ele coordenou a resposta nacional à pandemia de influenza e síndrome da zika congênita.

Na secretaria, Wanderson é responsável por ações de vigilância, prevenção e controle de doenças transmissíveis no Brasil, pela vigilância de fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, saúde ambiental e do trabalhador e também pela análise de situação de saúde da população brasileira.

Wanderson de Oliveira é doutor em epidemiologia pela faculdade de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Wanderson tem especialização pelo programa de treinamento em epidemiologia aplicada ao SUS, pelo centro de controle e prevenção de doenças da Georgia, nos Estados Unidos. É especialista em epidemiologia pela escola de saúde pública Johns Hopkins, também nos Estados Unidos, e é professor da escola da fundação Oswaldo Cruz, em Brasília.

Casos no Brasil

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 6h25 desta quarta-feira (15), 25.758 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, com 1.557 mortes. Com a primeira vítima no Tocantins, Brasil passa a ter mortos pela Covid-19 em todas as UFs.

Fortaleza tem 1.845 casos confirmados da doença e é a capital com maior incidência de casos no Brasil, à frente de Manaus e São Paulo, respectivamente. que concentra a maioria dos registros.

Com informações G1

sábado, 11 de abril de 2020

Coronavírus: como higienizar as compras do mercado ou da feira


Comércio. Consumidora faz compras em mercado em São Paulo — Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Além dos cuidados que devem ser tomados ao sair de casa para ir a supermercados e feiras, as pessoas também devem dar uma atenção especial à higienização das compras ao chegar em casa, apontam especialistas. Embalagens e sacos plásticos podem servir como meio de contaminação para o novo coronavírus, já que podem ser manuseados por várias pessoas.

Segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o novo vírus necessita de um hospedeiro para se multiplicar. A transmissão ocorre somente de pessoa para pessoa, de forma direta ao ter contato com um indivíduo contaminado, ou indireta, tendo contato com uma superfície contaminada e não higienizando as mãos posteriormente.


Como higienizar caixas de leite e embalagens de plástico?

Segundo Jean Gorinchteyn, infectologista do Hospital Emílio Ribas, de São Paulo, água e sabão são suficientes para limpar itens que vêm em embalagens de plástico, como os produtos de limpeza.

"Para higienizar produtos que sejam à base de papelão, aí pano umedecido com um pouquinho de álcool a 70%. Passa o pano e pode colocar no armário de forma tranquila", diz.

"Pode também lavar com água e sabão, usando uma esponjinha para retirar resíduos de sujeiras que podem ter ficado, não obrigatoriamente relacionada a vírus, mas bactérias, sujidades."


E as frutas e verduras?

"As frutas e legumes devem ser colocados num recipiente com água e 4 gotinhas de hipoclorito de sódio. Mantém por 5 ou 10 minutos, depois despreza essa água e lava com água corrente normalmente", diz Gorinchteyn.

O que fazer com as embalagens de carnes e peixes?

Nos casos de proteínas como carnes e peixes, o infectologista afirma que a preocupação tem que ser com a embalagem, que pode ter sido manipulada por outros pessoas, e não com o conteúdo em si.

"Então, chego em casa, abro essas embalagens de forma cuidadosa e já jogo no lixo. Lavo a mão com água e sabão, porque vou estar do lado da pia, e coloco [a carne] em outro recipiente no qual eu possa guardar na geladeira", diz.

O que fazer com as sacolas plásticas e outras embalagens?

Gorinchteyn diz que as pessoas devem ter cuidado também com as sacolas plásticas, pois o vírus pode aderir nas superfícies. Por isso, o melhor é descartá-las.

"Os sacos plásticos devem ser desprezados. Mesmo as embalagens de papel devem ser desprezadas, uma vez que a gente não sabe quem e quantos manipularam essas caixas ou essas embalagens de uma forma recente."

Com informações G1 

segunda-feira, 6 de abril de 2020

PRTB: Jairzinho conta com Umbelino Jr. na disputa proporcional em São Luís


 No último mês de março, o vice-presidente da república, Coronel Hamilton Mourão,  veio a São Luís e fez uma reunião com as lideranças do seu partido o PRTB, e estava muito animado com as possibilidades da legenda em eleger vários vereadores pelo Maranhão pois foi uma das legendas que mais cresceu nas eleições de 2018 e hoje tem muita força nacionalmente.

Ele junto com o presidente do partido Levi Fidélix, deixaram o PRTB nas mãos de Jairzinho Júnior no estado, o que foi uma excelente escolha, afinal ele tem conseguido reajustar o partido em meio a uma conjuntura difícil. Com a saída de alguns vereadores da legenda e com pouca estrutura física e financeira, ele tem conseguido colocar o partido nos trilhos e segue avançando com uma excelente perspectiva para as eleições desse ano.


A grande novidade é a filiação do vereador Umbelino Júnior, que veio para oxigenar o PRTB, e diferente do que muitos alegaram, de que a vinda de Umbelino faria com que os outros pré-candidatos se tornassem “bucha”, os vereadores não vão entrar mais, porque outro candidato fez votos a mais para se eleger. Isso vai dar um novo cenário nessa concorrência. A própria cooptação do prefeito em relação à Câmara vai ser alterar em virtude disso.

Os eleitores irão votar nos líderes municipais que têm legado deixado. Não vai ser uma eleição como a última. O povo vai votar na pessoa conhecida, que tem uma folha de serviços prestados.

A entrada de Umbelino vai criar muito mais visibilidade para os demais, pois trazer um líder político da envergadura de um vereador como ele para o partido, mostra a credibilidade que o projeto de renovação tem.

Umbelino Junior está em seu segundo mandato e com a força de seu grupo político irá buscar seu terceiro mandato como vereador de São Luís. Em sua trajetória política, ficou conhecido por ser um parlamentar independente, sem defender interesses pessoais. No plenário Simão Estácio da Silveira, Umbelino é conhecido por representar a zona rural de São Luís, bairros carentes da capital, lutar por melhorias para várias classes, estudantes e trabalhadores locais.


“É uma honra fazer parte de uma legenda tão forte como é o PRTB. Quando conversei com o presidente do partido, Jairzinho Filho, nossa preocupação foi em definir o que juntos poderíamos fazer pela nossa cidade e como iríamos montar esse time. Acredito que o PRTB irá conseguir eleger três representantes e juntos vamos trabalhar para que os nossos ludovicenses tenham uma cidade cada vez melhor”, avaliou Umbelino.

É notável que essa agregação e articulação feita por Jairzinho Júnior é extremamente benéfica para todo o seu grupo, que tem condições reais de eleger diretamente dois vereadores, mais um ou dois na sobra.

O PRTB tem um projeto e muitas características que o povo brasileiro tem buscado para seus representantes parlamentares, segundo muitas pesquisas, e no dia da eleição vamos ter a prova disso.

domingo, 5 de abril de 2020

CORONAVÍRUS: Sobe para 133 casos confirmados no Maranhão

O balanço dos casos de Covid-19 divulgados pela Secretaria de Saúde no Maranhão neste domingo (5) aponta um aumento de 37 novos casos confirmados. Sobe para 133 casos confirmados em laboratório e 2 óbitos.
Dos 37 casos registrados, 35 foram no município de São Luís e 02 em São José de Ribamar. Sendo 23 mulheres e 14 homens.

CORONAVÍRUS: Brasil tem 54 mortes em 24 horas


O balanço dos casos de Covid-19 divulgados pelo Ministério da Saúde neste domingo (5) aponta:

486 mortes

11.130 casos confirmados

4,4% é a taxa de letalidade

No sábado (4), havia 432 mortes e 10.278 casos confirmados. Em relação ao balanço anterior, foram acrescentadas 54 mortes (aumento de 12,5%) e 852 casos confirmados (aumento de 8,28%).

Duarte Jr. terá Lorena Macedo como vice na disputa pela Prefeitura de São Luís


Recebemos em primeira mão que hoje (05) acontecerá uma reunião na residência de Chico Carvalho, presidente do Partido Social Liberal – PSL para a definição da indicação para a vaga de vice na chapa de Duarte Jr. para a majoritária dessas eleições.

E o nome foi muito bem escolhido, se trata da jovem Lorena Macedo, esposa do deputado estadual Fábio Macedo. Lorena é formada em Direito, tem forte atuação em atividades de desenvolvimento social pelo estado, é evangélica, sempre participa dos bastidores da política e tem facilidade em dialogar com várias vertentes políticas e aglutinar lideranças.


O PSL que se tornou o maior partido do Brasil nas últimas eleições, estava fazendo diálogos com outros partido na capital, mais intensificamente com PSDB do pré-candidato Neto Evangelista, porém o envolvimento com o PDT de Osmar Filho deixou claro que o PSL não teria protagonismo, o que não condiz com o partido com o maior fundo eleitoral e maior tempo de televisão e grande poder de negociação no primeiro escalão.


Ter Lorena Macedo como candidata a vice-prefeita é um grande potencial para o PSL, que buscar renovar-se e dar destaque ao empoderamento feminino.

O REPUBLICANOS tem muita sorte em ter o PSL como principal aliança para a eleição deste ano, como a força política que PSL traz para união vai embaralhar bastante os planos dos demais partidos que acham que o dia da votação já está garantido.

sexta-feira, 3 de abril de 2020

CORONAVÍRUS: 1 mil casos é a projeção feita por Flávio dino sobre os casos no Maranhão


O governador Flávio Dino (PCdoB) disse que é possível projetar que o pelo menos mil pessoas estejam com o coronavírus no Maranhão.

A afirmação foi feita pelo governador nas redes sociais, após a confirmação pela Secretaria de Estado da Saúde de 81 casos já registrados no Maranhão.

Flávio Dino disse que a luta agora é evitar a expansão rápida da pandemia no Maranhão.
Temos neste momento 81 casos confirmados no Maranhão, praticamente todos na Ilha de São Luís. Razoável projetar que já temos mais de 1.000 pessoas com o vírus. Nossa luta é para evitar expansão rápida, internações hospitalares e mortes.