sábado, 8 de setembro de 2018

São Luís entre as piores capitais para se viver no Brasil


Levantamento da consultoria Macroplan mostra que São Luís (MA) garantiu o  22º lugar no ranking entre as melhores capitais do país.

Resultado de imagem para sao luis
Com pouco mais que 460 mil habitantes, a cidade de Macapá (AP) é a primeira na lista das piores capitais para se viver no Brasil, segundo estudo da consultoria Macroplan.

Para chegar a esta conclusão, a consultoria analisou os municípios com mais de 266 mil habitantes em 16 indicadores divididos em quatro áreas distintas: saúde, educação e cultura, segurança e saneamento e sustentabilidade.
O ranking foi formado por um índice que vai de 0 a 1 – quanto mais próximo de zero, pior é a condição de vida no local. Macapá ficou com um índice de 0,434.
Alguns exemplos explicam os pontos negativos da capital amapaense. Na área de saúde, por exemplo, Macapá aparece na 89ª posição entre as 100 maiores cidades do Brasil. Motivo? A cidade tem uma das mais altas taxas de mortalidade infantil e baixa cobertura de atendimento básico.
EXAME.com não conseguiu contato com a prefeitura da cidade até a publicação desta reportagem.
No extremo oposto está  Curitiba (PR), que garantiu o primeiro lugar no ranking entre as melhores capitais do país, com índice de 0,695. Segundo o estudo, a cidade tem bons resultados nas quatro áreas analisadas pela consultoria.

Por lá, segundo o levantamento da Macroplan, 100% da população é atendida com água encanada e coleta de lixo. A título de comparação, na capital do Amapá, apenas 36,4% dos moradores têm água encanada.

Veja o desempenho São Luís nas áreas analisadas pela consultoria:
1- Abastecimento de Água: É precária a distribuição, onde atende somente em dias alternados e em alguns bairros da periferia somente uma vez por semana.

2 - Saúde: A rede hospitalar atende através das UPAS, e somente procedimentos básicos e os hospitais públicos não tem estrutura para atender o fluxo de enfermos, o que os leva a falecerem nos corredores destes hospitais.

3- Criminalidade: Hoje é a terceira capital do País em homicídios por arma de fogo e o tráfico de drogas está presente em todos os bairros, principalmente nos de baixa renda sem nenhum tipo de ação a combater.

4- Energia: A tarifa e a segunda mais cara do País, só perde da capital federal que custa cerca de 50% mais caro que a média nacional.

5 - Economia: Hoje 95% dos bens de consumo são importados de outros estados, causando o colapso da economia, pois não há investimentos externos e nem implantação de empresas / indústrias, o que gera um PIB negativo, e se tirarmos a arrecadação de impostos da Empresa Vale , passa ter o menor PIB das capitais federais.

6- Emprego: A taxa de emprego é a pior do país, não oferecendo mercado de trabalho para o grande número de profissionais oriundos das universidades bem como o grande numero já sem empregos.

7- Transporte: O sistema é precário sem planejamento e as malhas totalmente sem bom senso, levando o usuário a procurar percursos fora do seu destino aumentando em até uma hora seu trajeto. E o pior, não existe nenhum estudo ou projeto para implantação de alternativas como o VLT (Veículo Leve de Transporte), ou outro sistema que venha a melhorar o transporte como um todo.

8- Lazer: Se resume as barracas de praia, pois todas estão impróprias para banho pelo alto índice de coliformes fecais existente. O teatro principal não promove eventos com freqüência e a cidade não possui casas de Show decentes para promover grandes eventos, A cultura é periodicamente esquecida e lembrada apenas no período Junino.

9- Arborização: A cidade não possui Horto Florestal para fornecimento de mudas a preços módicos a população bem como incentivar o plantio destas no intuito de aumentar as áreas verdes para amenizar o calor, pois a gestão municipal não possuir projetos de arborização, além de nunca ter feito nenhum plantio de mudas considerável o que a torna a cidade cada vez mais quente.

10- Custo de Vida: Está entre os três maiores do país, em meio ao abastecimento provir de outros estados via transporte rodoviário com fretes altíssimos e péssimo acesso a capital.


Por Exame

Nenhum comentário:

Postar um comentário