sexta-feira, 14 de setembro de 2018

João de Deus, Pró reitor da UFMA, não presta contas do PNAES e alunos podem ficar sem auxílio estudantil!


Pró-reitor de Assistência Estudantil, João de Deus Mendes da Silva, mediador da audiência pública - Foto por: Sansão Hortegal



O Plano Nacional de Assistência Estudantil foi criado em 2008, durante o mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No primeiro ano de funcionamento, o programa recebeu 125 milhões de reais. No segundo ano, esse investimento foi de 203,8 milhões.

O PNAES 2018, assim como as edições anteriores, oferece uma ajuda de custo aos estudantes de baixa renda matriculados em universidades federais. A iniciativa tem como propósito reduzir as desigualdades e melhorar o desempenho acadêmico dos jovens em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

O Plano Nacional de Assistência Estudantil proporciona condições para que o universitário de baixa renda possa estudar. Portanto, o PNAES é responsável por promover diferentes ações de assistência estudantil, como é o caso de auxílio moradia, transporte, alimentação, creche, inclusão digital, apoio pedagógico, esporte e cultura.

O Pró Reitor de Assistência Estudantil da Universidade Federal do Maranhão, o Prof. João de Deus Mendes da Silva, não prestou contas do orçamento destinado ao Plano Nacional de Assistência Estudantil – PNAES que foi de R$ 15.428.410,00 em 2017!

Esse ano foi destinado o valor de R$ 15.746.175,00. O problema é que os estudantes que são bolsistas podem ficar sem as suas ajudas de custo se não houver essa prestação de contas por parte de João de Deus.

O mais estranho é que esse dinheiro não é visto por quem mais precisa. Desde que se começou a se utilizar o ENEM como método de acesso as universidades públicas muitas pessoas de baixa renda começaram a entrar na universidade que antes só eram de acesso a pessoas mais abastadas. Por isso o PNAES vem contribuir para garantir a permanência desses estudantes de baixa renda dentro da UFMA, com o valor das bolsas de auxilio estudantil eles podem pagar passagem, tirar xerox e comprar outras materiais que precisem para as aulas.

Porém, o que se percebe nitidamente é que somente um grupo seleto de estudantes tem se beneficiado do auxílio estudantil, muitos estudantes reclamam que pessoas ligadas a União da Juventude Socialista – UJS que é a juventude do governador Flávio Dino são cadastradas fora dos critérios exigidos, o que mostra a ligação partidária da reitora Nair Portela e João de Deus com os comunistas que tomaram conta do Estado...

Por Júlio Belargo

Um comentário:

  1. O último parágrafo falta com a verdade! Os editais estabelecem critérios claros. São selecionados os acadêmicos que preenchem os requisitos do Edital. Não podemos faltar com a verdade ou cair no proselitismo politiqueiro.

    ResponderExcluir